23 de junho de 1990

Lembranças

Por Nelson Manzatto

Outro dia, ao olhar para o calendário, me deparei que já era julho e já era dia 23 e, com isso, se completavam 20 anos de sua partida. Uma partida sem despedidas, silenciosa, como foram muitos os momentos de sua vida. Silenciosa, mas sempre com ações…

– Vamos jogar peteca pai?

Seu silêncio era… era assim… inexplicável… Sabíamos o que dizia, sem dizer uma palavra. Seu olhar mostrava os passos que tínhamos que seguir. Sua mão, calejada, mostrava que a vida era cheia de caminhos a serem seguidos, de trilhas a serem abertas, de flores a serem semeadas só prá gente colher… Mesmo que fosse uma margarida ou uma palma… prá gente levar ao cemitério em finados…

– Olha a peteca pai. Não deixe ela cair… Isso! Rebate…

Engraçado… Os terrenos hoje são substituídos por cimentados, garagens, casas, prédios. Não há mais terras para plantarmos margaridas, as batatas de palma apodrecem sem espaço. Mas a passagem pelo cemitério tem motivos especiais. Afinal, pai, é lá que estão seus restos mortais. Bem próximos aos de mamãe que partiu dois anos antes, exatamente do mesmo jeito: silenciosamente!

– Opa! Desculpe pai. Deixei a peteca cair!

Claro que me lembro de seu sorriso. Mas era, também, um sorriso silencioso! Como o barulho do encontro de sua mão com a peteca: não se ouvia! E lá corria eu atrás dela, prá ela não cair. E se acertava, fazia um barulho oco, pois a pancada era torta, sem direção. E lá vinha o senhor, sem grande esforço… prá jogar a peteca prá cima. Prá gente se preparar pra rebater e não deixar que ela caísse.

– Caiu de novo pai! Derrubei mais uma vez!

Nestes 20 anos, pai, muita coisa mudou. Claro que o senhor sabe que a peteca sumiu muito antes deste tempo que o senhor está ausente. Ela foi substituída por videogames, computadores. Não há espaço prá jogar peteca! E eu era um dos primeiros a correr aos canteiros só prá ver o senhor semear rúcula, alface, almeirão. Lembra disso? Nem este espaço existe mais…

Sei que se lembra, sei que sabe das petecas desaparecidas. Sei que se lembra das poucas vezes que nossos olhos se cruzaram na subida e descida da peteca e na torcida para que ela não caísse.

– Lá vem a peteca pai! Não permita que eu deixe que ela caia!!!

Saudade!

(homenagem aos 20 anos de falecimento de Alcindo Manzatto, meu pai)

Advertisements

3 Respostas to “23 de junho de 1990”

  1. Ana Maria Says:

    Bela homenagem Nelson, ele merece e depois destes 20 anos de saudade, ele continua vivo em nossas lembranças.
    Ana Maria

  2. Ademir Says:

    Gostei Nelson. Belas lembranças dos tempos idos e dos terrenos usados para plantação que hoje não existem mais. Jogo de peteca? Pra que? Infelizmente hoje é a televisão, os videos games os papos na Internet e outras novidades. Bela lembrança.
    Ademir

  3. Alberto, Cássia e Maria Clara Says:

    Bela homenagem Nelson, texto muito bonito!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: